// Notícias

Vale do Minho apresenta Agenda 21 Local

A Comunidade Intermunicipal do Vale do Minho em parceria com a Escola Superior de Biotecnologia da Universidade Católica promoveram hoje, sexta-feira, 22 de Setembro na Escola Superior de Ciências Empresariais, em Valença, uma sessão de apresentação pública do projecto “Desenvolvimento e Implementação de Metodologias de Participação Pública: o caso prático das Agendas 21 Locais”, onde estiveram presentes autarquias e entidades locais, agentes sociais, económicos, culturais e membros da equipa docente da Universidade Católica.

Este projecto, co-financiado pelo medida 1.5 do ON e, a implementar nos municípios de Melgaço, Monção, Paredes de Coura, Valença e Vila Nova de Cerveira, será desenvolvido na modalidade de formação-acção, com equivalência a acções de formação avançada (pós-graduação), dirigida a activos empregados de entidades públicas e privadas, localizadas na região em que serão os próprios formandos a dinamizar a implementação da Agenda 21 Local, com o apoio do grupo de formadores-consultores da Universidade Católica.

O principal objectivo desta iniciativa é envolver toda a comunidade na implementação das medidas preconizadas para o desenvolvimento sustentável do Vale do Minho, procurando integrar as políticas ambientais e de preservação dos recursos naturais com o crescimento sócio-económico, num processo participativo, a desenvolver a longo prazo.

Considera-se que é ao nível do poder local que grande parte dos problemas do desenvolvimento sustentável se podem resolver, uma vez que somente perto das comunidades e com o envolvimento destas, é possível identificar, planear, executar e monitorizar o seu desenvolvimento sócio-económico. Trata-se, pois, de definir uma visão estratégica para os concelhos envolvidos e, depois, estabelecer compromissos e planos de acção.

A implementação da Agenda 21 Local irá decorrer de forma faseada, definindo indicadores e estratégias, num quadro de sustentabilidade identificado no Plano de Acção que inclui os objectivos, programas e acções a desenvolver tendo como elemento fundamental o envolvimento da população e dos agentes locais.

Pretende-se, assim, construir uma Plano de Acção Estratégico de longo prazo de dimensão social e económica com o contributo de toda a comunidade para uma eficaz conservação e gestão dos recursos pressupostos fundamentais para atingir os objectivos enunciados.

A Agenda 21 Local é, assim, o instrumento de integração e articulação ao nível da comunidade local, dos quatro pilares do desenvolvimento sustentável: ambiente, economia, sociedade e conhecimento e inovação.

Miguel Taxa Design